Sumário  

Capítulo 1 – Funcionamento manual da câmera

Capítulo 2 – Fotometria – Medindo luz 

Capítulo 3 – Photoshop – Técnicas aplicadas à fotografia (você está aqui)

(clique no capítulo para abrir)

 

Capítulo 3 – Photoshop – Técnicas aplicadas à fotografia

Quando estamos diante de uma paisagem ou de alguma cena com muito contraste, devemos analisar sua fotometria e enquadrar para ficar tudo perfeito. Mas com a era digital estamos quebrando algumas regrar que antes não eram nada indicadas, como subexpor uma foto em -1 ponto para depois editá-la. Mas para que afinal irei fotometrar com -1 Stop? A resposta está no título desse tópico, e esta técnica funciona bem em determinas situações, principalmente quando não temos um filtro ND graduado e nem um tripé para fazer HDR. O sensor fotográfico tem sérias limitações na sua latitude para captar altas luzes , que são áreas de brilho e muita luz, Às vezes é muito difícil a recuperação desse brilho no photoshop. A seguir ensinarei como proceder diante de uma paisagem com um alto contraste.

image080

RAW original sem retoques, perceba como a subexposição proposital conservou boa parte das altas luzes do céu.

image082

 

No photoshop, o “câmera RAW” nos dá os valores padrão que é sempre aplicado, porém altere os valores marcados em vermelho. No item “Expoure” o valor -0,90 me dá mais visibilidade de uma parte do céu , que antes era totalmente branca (estourada). Como a foto ficou mais escura, compense com o “fill light” que aumenta o brilho nas áreas de sombra. Coloque também 10 em “Black” para as sombras não ficarem com um aspecto artificial. Zere o “contrast” para recuperar ainda mais as áreas mais críticas, e aumente um pouco a saturação e o vibrance.

image084

 

A exposição está mais equilibrada, compare o céu desta com a foto inicial.

Duplique a camada original usando o atalho CTRL J que logo usaremos em uma máscara. Para clarear os barcos e as casas que ainda estão escuras, use a opção “levels”, (para maior flexibilidade o atalho para o curve é CTRL L)

image086

 

Arraste a seta branca o suficiente para clarear a imagem sem estourar o reflexo no mar.

image088

 

Selecionando a camada que foi duplicada, vá no menu “layer ->layer mask-> hide all. Com esse procedimento você irá aplicar de forma seletiva o contraste que você adicionou com o “levels”. A camada duplicada que você clareou fica inválida, e selecionando o pincel (teclado de atalho “B”) de cor branca você pinta o enquadramento quase todo , deixando a parte de mais luminosidade do céu. Para fazer uma boa transição nesta área mude a opacidade do pincel para 50% , e depois para 20% para suavizar a aplicação.

image090

 

A imagem resultante ficou assim:

image092

 

image094

 

Com a ferramenta “clone stamp” (tecla de atalho “S”) , aperte ALT para demarcar a área que irá ser clonada. Escolha uma área próxima da pessoa, de modo que a clonagem fique bem homogênea sem grandes discrepâncias.

E para concluir, vá aperte CTRL U para abrir “Hue/saturation” de uma leve saturação +10.

image096

 

Imagem final

image098

 

Conversão Preto e Branco

A conversão digital é procedimento muito divergente em termos de resultado, e cada fotógrafo usa sua técnica preferida. As máquinas de filme, possuem excelentes resultados em PB, as imagens são impactantes e com a presença da escala monocrática bem definida , o contraste é um detalhe muito característico também. Com as digitais o caminho é um pouco mais trabalhoso, já que temos que manipular a imagem afim de conseguir o resultado que queremos. Quando você for configurar sua câmera jamais coloque no “Modo PB” independente das configurações das mais avançadas ela possuir. Pois essa conversão é totalmente automática e o resultado não é nada satisfatório.Geralmente a ausência do preto e do branco puro, a predominância cinza deixa a imagem monótona e sem personalidade. A seguir as comparações dos PB totalmente automático e o manipulado.

Note como o contraste realça as imagens

image102 image100

A seguir veremos como a técnica realizada no photoshop.

image113

Antes de começar o tratamento vamos duplicar duas vezes a camada original (CTRL J), para aplicarmos a conversão com contraste localizado através de mascaras.

image114

Usando a layer 1 copy ,vamos definir o céu, usando um filtro PB vermelho.Vá no menu image->adjustments->Black and White e no “preset” escolha “high contrast red filter”

image116

 

image118

 

Desabilite a visibilidade da “layer 1 copy” clicando no “olho” e selecione a “layer 1” clicando na imagem habilitar a camada.

A ferramenta o “grandient map” faz uma conversão razoável, mas antes de selecioná-la, verifique se as cores do pincel estão preto para “foreground” e branco para “background”, ou então simplesmente aperte (D) para retornar ao padrão. Para escolher o grandiente entre na menu image->adjustments->gradient map.

image119

Clique OK para confirmar.

Selecione a Layer copy 1 novamente

image121

Clique no “olho” e na imagem do layer 1 copy para habilitá-la

Agora usaremos uma mascara para fazer com que o contraste do “high contrst red filter” seja aplicado somente no céu. Vá em layer->layer mask->hide all. E com o pincel com a cor branca pinte somente o céu.

image123

Após pintar o céu a foto fica com esse aspecto.

image125

Use o atalho CTRL E para unir as duas camadas adicionais que criamos.

Para finalizar usaremos as ferramenta burn and burn , vamos utilizar primeiro o “burn” image128 com os seguintes valores.(o tamanho do pincel varia de acordo com a área a ser aplicada)

image129

Shadows significa com vamos adicionar uma espécie de sombra, escurecendo e dando um contraste adicional. Aplique baste no céu para definir as nuvens. Um pouco na região escura do mar , e na sombra do barco.

Agora aplique a ferramenta dodge image131 com os seguintes valores.

image132

Highlights significa que vamos adicionar altes luzes, bastante brilho e luminosidade. Aplique na área próxima da escura da água para dar sensação de volume , assim como em alguns pontos da nuvem. A areia e alguns barcos também ficam mais destacados com um pouco desde efeito.

Resultado final.

image133

HDR – uso em fotografia de paisagens e interiores

Com a latitude limitada das câmeras digitais , como fazemos para fotografar em lugares de alto contraste?Esse problema pode ser revolvido de diversas maneiras e aqui abordaremos o High dynamic range ou HDR. Abaixo veremos um exemplo de fotografia onde a um “estouro” do branco, e bastante perda de informação.

image134

Note como a visualização da varanda fica difícil por causa do estouro.

image136

 

Com a técnica aplicada o local fica totalmente visível

Quando o contraste é muito alto e não podemos usar a técnica de supexpor a imagem para depois recuperar no photoshop, usamos o HDR e necessariamente precisamos de um tripé. Esta técnica necessita de no mínimo de 3 fotos para obter sucesso. A seguir veremos porque precisamos destas fotos.

Obs: A variação dos pontos ou stops nas fotos foram feitos com a alteração da velocidade do obturador já que com o diafragma estaremos mudando a profundidade de campo. A fotometria foi feita no modo Center weighted em todas as fotos

0EV

image138 image140

A foto foi medida com a régua da exposição indicando 0EV. Repare como as áreas escuras como a que mostra a coifa , e também o estou do céu. Fiz essa foto com intenção de mostrar os tons médios como o sofá, mesa de centro e as paredes.

-2EV

image142 image144

 

Essa exposição foi realizada somente para a captação do detalhe do céu.

+2EV

image146 image148

 

E para finalizar esta foi feita para mostrar os detalhes que antes estavam um pouco escuros,

Obs importante: Um leve tremor no tripé ocasionará um desalinhamento das fotos , por isso escolha o modo de disparo com 2s ou 5s da sua câmera, pois um simples toque afetará na imagem.

A seguir veremos como se realiza a técnica em 2 programas diferentes, um deles é o photoshop e o outro é especializado em HDR, o photomatix.

Photoshop

O programa mais utilizado pelos fotógrafos também faz HDR, porém com certas limitações de facilidade se comparado ao photomatix. Com o programa aberto vá em: File -> automate->merge to HDR.

image150

 

O ideal é que você abra 3 fotos em formato RAW, mas por facilidade de explicação usaremos TIF que é o formato que salvamos depois de um RAW tratado. As fotos também podem estar em JPEG também.Clique em Ok para avançar e após o processamento das fotos clique em ok novamente.

Com o término do procedimento , vá em Image->mode->16bits/channel.

image152

 

Em method: escolha Local adpatation , pois neste modo a opção de ajuste do contraste é mais apurado.O

Radius: indica o valor da intensidade, marca um valor médio como 40px.

Thereshold deixe com um valor bem baixo. Uma quadidade significativa deixa a área transição da foto mais artificial e visível.

Toning curve and histogram: aqui você define a “curva de contraste” para o HDR , este desenho de “S” significa um acento nas áreas escuras/médias na parte inferior , e claras/médias claras na parte superior. Esta configuração dá um leve contraste para a foto.

Obs: O tratamento do HDR varia de foto para foto, neste caso, a configuração escolhida foi a mais natural possível, a subjetividade é muito presente no quesito resultado em fotos HDR, assim como fotos Preto e branco.

Resultado final , sem estouros e com uma latitude equilibrada.Compare com a primeira foto 0EV.

image154

Maquiagem Digital

Este tipo de tratamento vem sendo usado cada vez mais em fotos de moda e em retratos onde o fotografo não pode contar com o auxilio de um maquiador. As correções e incrementos são diversos mas tudo deve ser feito com uma dose suave onde o photoshop não deve predominar, e sim a composição e a luz usada no retrato. A maioria dos tratamentos vistos na internet são muito artificiais, a modelo aparece com uma tonalidade duvidosa de cor dos olhos, assim como pode se observar um clareamento nos dentes mal feito. Outra especificidade neste tipo de tratamento é a pele que muitas vezes aparecem com borrões e com aspecto aveludado irreal. A incessante busca pela beleza não pode ocorrer de forma agressiva já que apesar de você ter todo domínio do photoshop e de suas ferramenta, o que durou 1h ou 2h para ser feito pode parar na lixeira do seu cliente.

SONY DSC

Exemplo de tratamento ruim e sem naturalidade. Pele aveludada , dentes artificiais, olho exagerados

image177

 

Neste exemplo o tratamento foi mais bem sucedido com maior atenção aos detalhes que não podem exceder.

No photoshop abra um retrato que mereça um tratamento de maquiagem digital.Iremos fazer as correções básicas que uma foto como ajustar os seguintes elementos

 

  • Contraste
  • Tonalidade da pele
  • Lábios
  • Espinhas e marcas de expressão
  • Exposição
  • Olhos e cabelos

Usaremos esta foto sem tratamento que no geral está bem fotografada.

image178

 

Primeiramente iremos retirar um pouco das pintas, espinhas ou marcas de expressão com a ferramenta Spot healing

image181  (tecla de atalho “J”) , com a ajuda do zoom ( CTRL +) clique sobre a espinha que se deseja remover. Este recurso necessita de paciência , em alguns casos em que a pele de uma pessoa está muito marcada, muitos “clickes” serão realizados para tirar todas as imperfeições.Quando você clicar em lugar e o resultado não ficar satisfatório , vá em Edit->Step Backward (ou CTRL ALT Z) e tente novamente.

image182

 

Note como a remoção que leva aproximadamente 5mim entrega bons resultados

A seguir iremos fazer uma leve correção no tom de pele , para fazermos isso vá no menu image->adjustment->selective color

image184

 

Antes de colocar esses valores eu percebi que a pele estava com um tom rosada, e com um excesso de magenta.Cuidado ao mudar essas porcentagens pois a pele pode ficar muito amarela ou com alguma tonalidade estranha. Veremos agora como se muda a cor do batom, que servirá somente como forma de informação extra, porque a cor é muito subjetiva.Duplique a camada original (CTRL J) e vá novamente no selective colors.

image186

 

Logo após aplicar o selective colors , vá em image->adjutments->saturation (ou CTRL U) e diminua a saturação.

image190

Então usaremos uma máscara , para de forma seletiva para aplicar somente na boca.Vá no menu Layer->layer mask->hide all, e com o pincel com a cor branca pinte somente a área desejada.

image192

A diferença pode ser notada

image193 image194

 

Antes                                                                        Depois

 

Os pequenos detalhes , que de forma sutil irão contribuir para o resultado final da foto. O Comando CTRL E une as camadas para podermos ir para o próximo passo.Vamos realçar os olhos que estão um pouco sem contraste.Duplique a camada (CTRL J) e vá em image->adjustments->levels (ou CTRL L).

image195

Feito isso dê “ok” e entre em saturation (CTRL U) e aumente em +20. Então vamos fazer a mascara, layer->layer mask->hide all e com o pincel branco pinte somente na pupila do olho , e cuidado pra não pintar a parte branca pois se ela for atingida o efeito estético do olho não fica condizente com a realidade.Por isso as vezes é necessário escolher a cor preta do pincel e pintar o excesso para voltar a luminosidade anterior. Mude a opacidade da camada para não deixar os olhos muito mais claro que o normal.

image197

Opacity de 60% , feito isso aperte “CTRL E” , para unir as camadas

image182

Lembrando que a intenção não é fazer com que os olhos fiquem castanhos claros, somente realçamos.

O retoque final ficará nos cabelo, que basicamente iremos aumentar o contraste, valorizando as mechas e as diversas cores que o cabelo possui. Começaremos mais uma vez duplicando a camada (CTRL J), e no menu image->adjustments->curves (CTRL M).

Defina a curva de contraste da seguinte maneira afim de clarear e destacar o cabelo da modelo.

image182 image200

Aplique uma mascara nesta camada indo em layer->layer mask->hideall, e com o pincel com a cor branca pinte somente os cabelos

image203

 

O resultado final da nossa imagem, veja a comparação.

image204

 

 

This Post Has 0 Comments

Leave A Reply

You must be logged in to post a comment.

Menu